4 casos em que a portabilidade de financiamento imobiliário é uma boa saída

Entenda o que é e quando fazer a portabilidade.
Em muitos casos, fazer um financiamento torna-se a forma mais prática e rápida de realizar o sonho da casa própria, até porque são raros os casos em que a pessoa já possui uma reserva de dinheiro, capaz de cobrir o valor total de um imóvel.
Assim, a primeira tarefa a ser feita quando decidir ter uma casa ou um apartamento em seu nome é buscar por uma instituição financeira que conceda o empréstimo. No entanto, depois de ter assinado o contrato e começado a pagar a dívida com o banco, o que pode acontecer é descobrir que há melhores condições no mercado.
Se este for o caso, fazer a portabilidade de financiamentopode ser uma boa alternativa para reduzir custos e melhorar o orçamento familiar. Entenda mais sobre o assunto e veja quando isso vale a pena.
O que é a portabilidade de financiamento?
A portabilidade de financiamento consiste em migrar a dívida da compra de um imóvel de uma instituição financeira para outra que ofereça condições mais atrativas. O procedimento é permitido por lei e aumenta a competitividade entre os bancos, fazendo com que o comprador encontre opções que caibam em seu bolso.
Quais são os passos para fazer a portabilidade?
Para fazer a portabilidade, é preciso seguir alguns passos simples.
1. Conhecer os dados do financiamento
É importante conhecer todos os dados referentes ao seu financiamento, para que seja possível entender se é realmente vantajoso fazer a portabilidade. Verifique as taxas de juros e o custo de mudança, que pode ficar entre R$ 3,5 mil. Se, mesmo assim, o valor final for inferior ao que você paga atualmente, fazer a troca será uma boa escolha.
2. Comparar com outros bancos
Os bancos precisam divulgar qual é a taxa de juros que praticam nos financiamentos imobiliários. Pesquise essa informação e compare-a com o que você tem atualmente. Lembre-se de também fazer essa comparação com o seu próprio banco, que pode ter reduzido as taxas de juros, e essa portabilidade interna poderá ser realizada, para que você se beneficie com as novas taxas aplicadas.
3. Levar a documentação para novo banco
Assim que selecionar qual instituição financeira oferece as melhores condições e comprovar que irá pagar menos pelo financiamento, reúna a documentação necessária e leve-a ao banco para dar início ao processo de portabilidade.
Quando vale a pena fazer a portabilidade?
Saiba quando é vantajoso fazer a portabilidade do seu financiamento imobiliário.
1. Taxa menor de juros
Se a taxa de juros oferecida pelo outro banco é menor e, ao fazer todos os cálculos, você perceber que irá pagar menos pelo financiamento, é interessante considerar a portabilidade. Lembre-se de não levar em conta apenas as taxas, já que terá outros custos envolvidos na mudança.
2. Cliente do banco com vantagens
Você fez o financiamento com um banco, na época, com as melhores condições do mercado, mas tem conta em outro. Agora, a instituição financeira, na qual você possui outros serviços, está oferecendo vantagens para receber o financiamento. Então, faça os cálculos e, se valer a pena, conclua a portabilidade.
3. Banco atual sem condições atraentes
O banco com quem você fez o empréstimo vai tentar te manter como cliente, exatamente por causa da existência da portabilidade. Ainda assim, se as condições oferecidas não forem atraentes, sinta-se à vontade para buscar outra instituição financeira para assumir seu financiamento imobiliário.
4. Dívida menor mesmo com contrato novo
Por último, não se esqueça que existem outros custos envolvidos na portabilidade, que podem ficar na casa dos R$ 3,5 mil, incluindo a taxa de cadastro do banco e a documentação no cartório. Então, se essas despesas, somadas ao valor total do financiamento, forem menores, pode fazer a migração.